segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Exercícios Enem Problemas Ambientais 3

Questão 21)

As alterações do clima vêm sendo debatidas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), órgão das Nações Unidas. Segundo o IPCC, até 2100 a temperatura da Terra poderá subir entre 1,8°C e 5°C.

(Adaptado de http://hdr.undp.org/en/media/HDR-20072008-PT-

complete.pdf. Acessado em 02/10/2012.)

Considerando o texto acima, responda:

a) Quais seriam as consequências do possível aumento da temperatura da Terra?

b) Cite duas metas definidas pelo Protocolo de Kyoto para reduzir o possível aumento da temperatura no planeta.

Gab:

a) Diversa modificações poderiam ocorrer pelo amento da temperatura da Terra, sendo as principais as alterações no nível do mar, o derretimento de geleiras, alterações climáticas em grandes áreas, com modificações no regime de chuvas e nas temperaturas.

b) Entre as metas do Protocolo de Kyoto destacam-se: redução de emissões de CO2 nas mais diferentes atividades humanas, redução de desmatamento, desenvolvimento de técnicas para o aumento do sequestro de CO2 da atmosfera, incentivo à produção de energia “limpa”, regulamentação de um mercado de crédito de carbono.

Questão 22)

O Congresso Nacional brasileiro aprovou o Projeto de Lei nº 2565/2011, que altera a distribuição dos royalties da exploração e produção de petróleo, gás natural e outros hidrocarbonetos fluídos entre a União, Estados, Distrito Federal e municípios. Este novo marco regulatório, que trata do regime de partilha das riquezas geradas pela exploração dos recursos naturais no país, vem gerando polêmica. O que se debate é se tais riquezas devem permanecer apenas nos Estados e municípios em que se localizam os combustíveis fósseis ou se elas serão distribuídas também para as outras unidades da Federação que não são detentoras desses recursos.

a) Cite os dois Estados brasileiros mais prejudicados pela aprovação do novo marco regulatório.

b) Apresente os principais argumentos favoráveis à manutenção da legislação atual e os que defendem a distribuição das riquezas produzidas pela exploração dos recursos para todas as unidades da Federação.

Gab:

a) Rio de Janeiro e Espírito Santo.

b) A discussão sobre a distribuição dos royalties do petróleo (uma espécie de tributo pago pelas empresas petroleiras pela exploração do recurso) entre os Estados e os municípios produtores e os não produtores resulta da questão de como compartilhar entre os entes federativos as riquezas naturais existentes no território nacional. Trata-se de uma discussão sobre o modelo de organização do Estado federativo brasileiro.

Os Estados e municípios produtores contrários à divisão dos recursos financeiros obtidos com a exploração do petróleo argumentam que, além da instabilidade jurídica resultante da mudança de regras já estabelecidas sobre a exploração de áreas já licitadas, a Constituição Brasileira lhes garante o direito de compensação financeira por sofrerem impactos econômicos, sociais e ambientais pela exploração dos recursos em seus domínios, e que com a alteração dos percentuais de distribuição dos royalties do petróleo, esses entes federativos perderão receitas para investimentos públicos em seus respectivos territórios administrativos, inclusive para reverterem os impactos produzidos por essa atividade econômica junto à população e aos ambientes naturais locais.

Por outro lado, os representantes dos Estados e municípios não produtores favoráveis à distribuição mais igualitária dos royalties do petróleo argumentam que, como a exploração desse recurso natural ocorre no subsolo e em áreas oceânicas pertencentes à União, os benefícios obtidos devem se estender à população de todas as unidades federativas e não apenas àquelas onde ocorre a localização do recurso. Argumentam ainda que a distribuição mais equânime dessas receitas oriundas da riqueza do petróleo poderá contribuir para a redução das desigualdades regionais e o aumento de investimentos em setores estratégicos para o país, como o da educação. Outro argumento utilizado por esse grupo é o de que todos os brasileiros contribuem com o pagamento de tributos destinados ao desenvolvimento de pesquisas exploratórias e de retirada de petróleo em áreas oceânicas, sendo assim uma questão de justiça que as riquezas obtidas pela exploração efetivamente ocorrida sejam distribuídas pelo conjunto da população nacional.

Questão 23)

“A responsabilidade não é apenas do clima adverso. As inundações que se registram, ciclicamente, no Vale do Itajaí, têm seus efeitos devastadores potencializados pela imprevidência e omissão dos poderes públicos. A própria sociedade tem sua parcela de culpa,...”

Fonte: Editorial: Diário Catarinense, 18 de setembro de 2011

Os deslizamentos em épocas de chuvas prolongadas acarretam sérios problemas em várias partes do Brasil. Um caminho a ser percorrido para enfrentar esses problemas é através da educação ambiental, enfocando a dinâmica da natureza.

Nesse sentido, a cobertura florestal tem um papel importante nas encostas e ele é cumprido por meio dos atributos abaixo, exceto:

a) Impede o impacto das gotas, através da copa e do manto de restos vegetais que cobrem o solo.

b) Retira por absorção e devolve à atmosfera através da transpiração a água da chuva infiltrada.

c) Retém a maior quantidade de chuva através da absorção pelas raízes, ficando esta água armazenada no caule das árvores.

d) Os restos de vegetais e raízes dificultam sobremaneira a ação erosiva das águas pluviais.

Gab: C

Questão 24)

Rio de Janeiro fecha o maior aterro sanitário da América Latina

clip_image002

(O Estado de S.Paulo, 04.06.2012.)

A manchete noticia o fechamento do Aterro Sanitário Metropolitano do Jardim Gramacho, após 34 anos de existência. O maior aterro sanitário da América Latina estava localizado à beira da Baía de Guanabara, sobre áreas de manguezais e cercado pelos rios Iguaçu e Sarapuí.

Cite e explique três razões ambientais ou sociais para esse fato ter sido comemorado.

Gab:

Um aterro sanitário sempre compromete o meio ambiente e a sociedade das áreas adjacentes, principalmente quando se trata do maior aterro sanitário da América Latina, como era o Aterro Sanitário Metropolitano do Jardim Gramacho, que funcionou durante 34 anos, localizado à beira da Baía de Guanabara, sobre áreas de manguezais e cercado pelos Rios Iguaçu e Sarapuí.

Assim sendo, existem razões de ordem socioambiental para o fato ser efetivamente comemorado, tais como:

• melhoria da qualidade de vida da população das áreas circunvizinhas a esse local, evitando o contato dos trabalhadores do lixo com o material contaminante;

• possível recuperação da biodiversidade das áreas de manguezais e rios;

• eliminação da contaminação do solo e do lençol freático;

• e o controle de vetores causadores de doenças e a redução (ou até a eliminação) dos fortes odores que comprometem a qualidade do ar e a saúde pública.

Questão 25)

Pára, contempla, observa: não são miragens

de um mundo perdido no tempo ou no sonho,

em que a vida brincasse de fazer coisas

imensas e pequenas coisas misteriosas.

Não é uma terra fora da Terra e do presente,

visão, alegoria, fábula.

É o aqui e o agora de um Brasil que é teu e desconheces.

São árvores,

os bichos,

as águas,

os crepúsculos

do Pantanal mato-grossense. Todo um mundo natural

que pede para ser compreendido, amado, respeitado.

Olha bem, olha mais. Cada imagem é uma história

e cada história um aviso, um anúncio, uma anunciação...

ANDRADE, C. D. Pantanal, beleza natural. In: BOLIGIAN, L. et al.

Geografia: espaço e vivência. São Paulo: Atual, 2001.

A partir da análise do poema e dos conhecimentos sobre a Região Centro-Oeste brasileira, é correto afirmar:

01. O Pantanal tem sua origem relacionada ao assoreamento dos rios da região.

02. A vegetação é composta, principalmente, por dois estratos, que formam um mosaico constituido por campos limpos e por campos sujos.

03. A caatinga e os solos aluviais predominam ao longo dos cursos fluviais.

04. O ecossistema do Pantanal é peculiar, semelhante ao das florestas úmidas tropicais, com fauna e flora ainda preservadas da ação antrópica.

05. Os solos são aluviais, profundos, com horizontes pouco definidos, baixa acidez e elevada fertilidade natural.

Gab: 02

Questão 26)

A força das águas tem viabilizado a construção de usinas hidrelétricas de grande porte no Brasil, sendo Itaipu um exemplo.

Com base nos conhecimentos sobre desenvolvimento e a questão socioambiental, considere as afirmativas a seguir.

I. A retirada das populações das áreas atingidas por construção de hidrelétricas tem produzido impactos sociais, como o desenraizamento cultural.

II. Itaipu é um exemplo da prioridade dada à preservação dos habitats naturais no projeto nacional-desenvolvimentista defendido pelos militares pós-64.

III. As incertezas sobre os impactos ambientais com a construção de usinas hidrelétricas trouxeram, por desdobramento, a formação de movimentos dos atingidos pelas barragens.

IV. A construção de hidrelétricas liga-se, também, à preocupação com a crise energética mundial prevista para as próximas décadas.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente as afirmativas I e II são corretas.

b) Somente as afirmativas II e IV são corretas.

c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.

d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.

e) Somente as afirmativas I, III e IV são corretas.

Gab: E

Questão 27)

Brasil não tolerará internacionalização da Amazônia, diz Jobim.

Brasília, 12/04/2011 – O Brasil cuidará de seu território por si mesmo e não tolerará a pretensão de internacionalização da Amazônia, disse nesta terça-feira o ministro da Defesa, Nelson Jobim, ao falar no III Seminário de Defesa, um dos eventos promovidos pela LAAD 2011 (Latin America Aerospace & Defence), maior feira de tecnologia de defesa e de segurança da América Latina. A LAAD 2011 foi aberta nesta terça-feira (12/04), no Riocentro, Rio de Janeiro.

https://www.defesa.gov.br

O texto acima é parte de uma reportagem sobre o espaço Amazônico e de uma preocupação estratégica nacional. A respeito do tema, considere I, II e III.

I. O então ministro Nelson Jobim fez referência à resolução que determina a administração internacional da Amazônia Brasileira, aprovada no Conselho de Segurança da ONU.

II. O tema de uma suposta internacionalização da Amazônia é recorrente no Brasil e serviu para justificar políticas de ocupação com grandes projetos de desenvolvimento, principalmente durante o período da ditadura militar.

III. A presença de organizações não-governamentais estrangeiras, práticas de biopirataria e manifestações de autoridades estrangeiras, que questionam a soberania nacional a respeito da Amazônia, são alguns dos fatores que têm motivado reações como a do então ministro da Defesa, assim como de setores civis e militares do país.

Estão corretas, apenas,

a) I e II.

b) II e III.

c) I e III.

d) I, II e III.

e) I.

Gab: B

Questão 28)

“O Código Florestal tornou objetivos alguns conceitos consagrados na ciência, como a importância da conservação dos solos, das águas, da paisagem, da vegetação e fauna e suas relações com ciclos biogeoquímicos. Normas como as Áreas de Preservação Permanente (APPs), e as Reservas Legais (RL), ao serem aplicadas, garantiriam a permanência da “saúde ambiental” da propriedade, combinada com a “saúde econômica da produção”. Entretanto, o Código Florestal esteve por muitos anos no 'ostracismo'. Nas escolas de agronomia não era ensinado, no campo não era cumprido, e não era exigido pelos órgãos de fiscalização.”

(Maria Cecília Wey de BRITO. Esforços pela Preservação no Brasil.

In: Revista Scientific American.

São Paulo: Duetto, nº 39. 2011, p. 13)

Com relação ao Código Florestal é correto dizer que

a) o Código Florestal é de fato uma lei de baixa aplicação, mas somente no que diz respeito às medidas legais em propriedades privadas; no que diz respeito às terras públicas, ele é rigorosamente seguido.

b) a despeito de sua baixa efetividade no controle das condições ambientais, há um processo de reforma de seu conteúdo, tornando-o menos rigoroso em vários aspectos, como por exemplo, na definição dos limites das matas ciliares.

c) algumas regras do Código Florestal não podiam ser seguidas por que elas sufocavam as atividades agrícolas, como por exemplo, a exigência de uma Reserva Legal nas propriedades que retira a maior parte das terras da produção.

d) manter APPs (por exemplo, áreas em terrenos de elevada declividade, áreas obrigatórias de matas ciliares etc.) não era exigência para os agricultores, pois eles não podiam ser penalizados pela existência desse tipo de situação em suas propriedades.

e) a mudança no Código Florestal vai melhorar sua aplicabilidade, pois vai tornar mais rigoroso o sistema de punições (advertências, multas e desapropriação), e também prevê campanhas de divulgação e de esclarecimento de sua importância.

Gab: B

Questão 29)

Em 2011, houve grande discussão no país sobre o projeto de um novo Código Florestal. Entre as principais polêmicas que envolvem o tema, está a flexibilização das APPs (Áreas de Preservação Permanente), correspondentes às faixas de mata ciliar, em virtude do grau de degradação em que se encontram. Explique

a) um motivo que levou à destruição da mata ciliar em áreas rurais brasileiras;

b) a função da mata ciliar.

Gab:

a) Vários motivos podem ser apontados como fatores de destruição das matas ciliares em áreas rurais brasileiras. Citamos aqui alguns deles: o modelo de ocupação do território, que utilizava a rede hidrográfica como via de circulação favoreceu ocupações nas margens dos rios; a necessidade da água para a realização de diversas atividades econômicas, como plantações e criações de animais fazia com que estas atividades fossem localizadas à beira de rios e córregos; modelos de desenvolvimento agrário, como o Pró-Várzea, induziram a retificação de rios e córregos para ocupação de suas margens com plantações comerciais.

b) A mata ciliar tem como funções principais a estabilização das margens dos rios e a retenção de sedimentos das encostas, protegendo do assoreamento.

Questão 30)

Durante todo o ano de 2011, a discussão sobre as alterações do Código Florestal Brasileiro envolveu vários setores da sociedade. Dentre as principais polêmicas surgidas destacou-se aquela relacionada às APPs (Áreas de Preservação Permanente), em razão da preocupação com a preservação dos recursos hídricos.

Considerando-se o exposto,

a) explique o significado de Área de Preservação Permanente.

b) Qual é o tamanho das APPs nos cursos d'água de menos de dez metros de largura, de acordo com o Código Florestal vigente?

Gab:

a) Área de Preservação Permanente é toda área coberta ou não por vegetação nativa, protegida por lei, visando à conservação dos recursos hídricos, da estrutura geológica, da paisagem e da biodiversidade; facilitando o fluxo de genes da flora e da fauna; protegendo o solo e assegurando o bem-estar das populações humanas.

b) O tamanho das APPs é de 30 (trinta) metros para cursos d'água de até 10 m de largura.

Nenhum comentário:

Gostou? Compartilhe o Blog!!!

Facebook Twitter Addthis